triangulo de exposiçãoISO, Velocidade e Diafragma Bons fundamentos técnicos são essenciais para a formação de um bom fotógrafo!

Estas três regulagens de uma câmera são a chave para definição da exposição fotográfica. Saber controlar estas três variáveis pode fazer a diferença entre uma boa foto e uma nem tanto. Como são TRÊS variáveis, um triangulo foi imaginado e cada face representa uma delas. Mas o que são estas TRÊS variáveis e porque são consideradas tão importantes?

Começamos pelo ISO

O ISO representa a sensibilidade do sensor à luz que o atinge. Quanto maior seu valor, maior a sensibilidade à luz e maior também a geração de “ruídos” na imagem. Os valores de ISO que mais encontramos nos diferentes tipos de câmera variam de 50 a 6400 ou até 12800. O ideal sempre é usar o valor mais baixo para garantir a melhor definição possível. Mas, em alguns casos, teremos que usar valores maiores. Das três variáveis, o ISO é o que menos se mexe quando do uso da câmera. Geralmente o mantemos em 100 ou 200 (poucas câmeras possuem ISO 50) e mudamos as outras duas variáveis.

Diafragmaaberturas

O diafragma regula o quanto de luz passa pela lente e alcança o sensor. No diafragma, os números f regulam a quantidade de luz que passa pela lente e atinge o sensor. Conforme mostrado na figura acima, o menor número f (f/1.4) deixa passar mais luz do que o maior número f (f/8). O diafragma pode variar de f/1.2 a f/32. Mas é não é toda lente que possui diafragma f/1.2 ou f/1.4. Somente as lentes mais claras possuem diafragma tão abertos. O que mais vemos é começar em f/2.8. Entre um número f e outro mais próximo, passa a metade ou o dobro da luz, dependendo se fechamos ou abrimos o diafragma. O diafragma além de controlar o quando de luz passa pela lente tem efeito direto na profundidade de campo que é o quanto de foco queremos na foto. Mas isso será objeto de um próximo artigo. Ou se você está em São Paulo, procure a Staff Divers (Rua Estado de Israel, 75 Tel 11-55396455) para um curso de foto.

Velocidade

A velocidade do obturador regula o tempo em que a luz que passa pelo diafragma vai permanecer atingindo o sensor. Pode variar de alguns segundos até milésimos de segundo. Em algumas máquinas existem ainda as “velocidades” “B” e “T”. As velocidades mais comuns são 30, 15, 8, 4, 2, 1, 2, 4, 8, 15, 30, 60, 125, 250, 500, 1000, 2000, 4000 e 8000. A velocidade “1” e as que estão à sua esquerda representam segundo(s). As velocidades que estão à direita são frações, ou seja, 2 representa ½ segundo; 30 representa 1/30 segundo e assim por diante. Assim como no diafragma, entre uma velocidade e outra o tempo dobra ou cai pela metade, dependendo para que lado se vá.  Ou seja: em velocidade 30 (1/30) o tempo em que sensor recebe a luz é a metade da velocidade 15 (1/15), mas é o dobro da velocidade 60 (1/60). As “velocidades” B e T são utilizadas para tempos de exposição bem maiores do que 1 segundo. Para utilizar “B” mantenha o obturador pressionado durante o tempo que necessitar para a exposição; para usar o “T” pressione o obturador uma vez para abrir e depois pressione novamente quando quiser fechar. Nestes casos, o uso de tripé e de um cabo disparador é obrigatório.

Exposição

Quando juntamos o ISO, o Diafragma e a Velocidade temos a exposição fotográfica.Por definição, a exposição pode estar “correta”, “subexposta” ou “superexposta”. Mas o que seria uma exposição correta?

A princípio, podemos considerar correta aquela exposição que o fotômetro da câmera indica estar no centro da escala.

graduaMas esse conceito de “correto” é um tanto quanto subjetivo. Uma exposição que pode parecer correta para mim, pode não parecer para você. Mas no caso de dúvidas regule a exposição para o centro da escala e subexponha (escureça) um pouco ou superexponha (clareie) um pouco e veja o que mais te agrada. Embora haja muitas regras na fotografia, tem horas que nenhuma regra se encaixa no que você quer fotografar e nesta hora, aplica-se a regra de que não há nenhuma regra.

Mas voltando para a exposição, já falamos que ela é uma combinação de regulagem de ISO, Diafragma e Velocidade.

Mas vamos entrar em mais detalhes sobre isso. Vamos começar deixando o ISO em 100 ou 200 que são os menores valores de ISO na grande maioria das câmeras. Alterando os valores de Diafragma e Velocidade vemos que o centro da escala do fotômetro é atingido com os valores de 250 para a velocidade e f/11 para o diafragma.

O que aconteceria se mudarmos para velocidade 125 e diafragma f/16 ou velocidade 500 e diafragma f/8?

Conforme dito anteriormente, quando mudamos de uma velocidade ou diafragma para o valor menor ou maior mais próximo, o tempo dobra ou é reduzido à metade ou passa metade ou o dobro de luz pela lente. Se a velocidade para a exposição “correta” é 250, quando a alteramos para 125 dobramos o tempo e quando a alteramos para 500, reduzimos o tempo à metade. E se o diafragma para a exposição “correta” é f/11, quando o alteramos para f/16, deixamos entrar metade da luz e quando o alteramos para f/8, entra o dobro de luz. Teoricamente nada muda. Quando dobramos um, reduzimos o outro à metade e vice versa.

Correto?

Em termos da quantidade de luz que atinge o sensor, nada muda. Mas, uma coisa muda. E muito.

E o que muda é a profundidade de campo, que será tema de um próximo artigo.

Até lá.

Roberto A Palmer

https://www.facebook.com/robertopalmerfotografia/